Você está interessado em sua própria capacitação pessoal ou na capacitação de seus funcionários? Se a resposta for positiva, então o Empowerment é um conceito essencial para sua gestão.

Empowerment, em tradução literal “empoderamento”, é o processo de capacitar ou autorizar um indivíduo a pensar, comportar-se, agir e controlar o trabalho e a tomada de decisões sobre seu trabalho de maneira autônoma, independente e autodirigida.

Para a organização, Empowerment significa a responsabilidade de criar um ambiente de trabalho que ajude a fomentar a capacidade e o desejo dos funcionários de agir de forma automotivada e autogerida. Para o colaborador, Empowerment significa sentir-se no controle do seu ambiente de trabalho e que  tem permissão para tomar decisões nas áreas que controla.

Confira ao longo do artigo os pormenores do conceito e entenda que adotá-lo pode posicionar melhor o seu negócio!

Como pensar em Empowerment

Quando pensar em Empowerment em termos de relações humanas, tente evitar pensar como algo que um indivíduo faz pelo outro, esse não é exatamente um processo de mediação.

As pessoas pensam que alguém, geralmente o gerente, tem que dar poder às pessoas que se reportam a ele — e essa não é a proposta do empowerment. Pense no Empowerment, em vez disso, como o processo de um indivíduo que se permite agir e controlar o trabalho e a tomada de decisões de maneira autônoma. O Empowerment vem, emerge, do próprio indivíduo e não de outra pessoa, seu superior, em direção a ele.

Nesse sentido, o Empowerment é uma ação da gestão estratégica que visa o melhor aproveitamento do capital humano nas organizações através da delegação de poder. Um estilo organizacional e de gestão desejável que permite que os funcionários pratiquem autonomia, controlem seus próprios empregos e usem suas habilidades e capacidades para beneficiar tanto a organização como a si mesmos.

Pense também no Empowerment como uma filosofia e estratégia de funcionários que as organizações se beneficiam com a adoção, pois favorece a autorresponsabilidade e a iniciativa individual. Funcionários capacitados, que estão operando dentro da estrutura estratégica de uma organização, que inclui missão e objetivos definidos, aumentam a produtividade e a eficácia do local de trabalho.

Eles estão habilitados a desempenhar seus trabalhos de maneira brilhante, sem se sentirem à espera de uma decisão, aguardando orientação e aguardando permissão para agir. Eles se tornam mais responsáveis ​​​​quando a autodireção é a norma.

Os princípios do Empowerment

Esses são os princípios mais importantes para o gerenciamento de pessoas de uma maneira que reforça o Empowerment, a realização e a contribuição dos funcionários.

Demonstrar que você valoriza as pessoas

Seu respeito pelas pessoas precisa brilhar em todas as suas ações e palavras, incluindo sua expressão facial, linguagem corporal e as palavras que você escolhe para expressar o que está pensando em relação às pessoas que se reportam a você.

Seu objetivo é demonstrar sua gratidão pelo valor único de cada pessoa. Não importa o desempenho de um funcionário em sua tarefa atual, seu valor para o funcionário como ser humano nunca deve vacilar e estar sempre visível.

Compartilhar visão de liderança

Ajude as pessoas a sentirem que são parte de algo maior que elas e seu trabalho individual. Faça isso certificando-se de que elas saibam e tenham acesso à missão, visão e planos estratégicos gerais da organização.

Compartilhar metas e direção

Quando possível, envolva os funcionários na definição e no planejamento de metas. No mínimo, envolva aqueles que se reportam a você na definição de metas no nível de departamento e compartilhe as metas e orientações mais importantes para o seu grupo.

Banner E-book Dale Carnegie

Com a ajuda de seus funcionários, progrida em metas (mensuráveis ​​e observáveis) ou esclareça que você compartilhou sua imagem de um resultado positivo com as pessoas responsáveis ​​por realizarem resultados.

Se você compartilhar uma imagem de onde está indo – e compartilhar o significado por trás das metas e da direção do negócio – os funcionários empoderados podem traçar seu próprio curso sem supervisão direta.

Confiar nas pessoas individualmente e em grupo

Confie nas intenções das pessoas e das equipes de fazer a coisa certa, tomar as decisões certas e fazer escolhas que (embora possam não ser exatamente o que você escolheria) ainda funcionem. Quando os funcionários recebem expectativas claras de seu gerente, eles relaxam. Isso permite que eles concentrem sua energia na realização de resultados, não em preocupações e dúvidas.

Fornecer informações para tomada de decisão

Certifique-se de que você forneceu às pessoas todas as informações necessárias para tomar decisões conscientes. Se isso não for possível, certifique-se de que aqueles que trabalham com você tenham acesso às informações necessárias para realizar seu trabalho de forma mais produtiva.

Fornecer feedback frequente

Forneça feedback frequente para que as pessoas saibam como estão se saindo, tanto em termos de atender às expectativas quanto de melhorias. Idealmente, deve haver uma mistura de feedback que seja recompensa e reconhecimento, bem como treinamento de melhoria, com ênfase no reconhecimento.

Assumir que o problema é o sistema, não o indivíduo

Quando ocorrer um problema, pergunte o que há de errado com o sistema de trabalho que causou a falha do indivíduo, e não o que está errado com quem teve dificuldades com a tarefa. Se você determinar que é o indivíduo, não o sistema, tente resolver o problema primeiro com o funcionário antes de ir para o RH.

Ouça, aprenda e faça perguntas

Como observou Dale Carnegie “os maiores êxitos profissionais devem-se à habilidade para dirigir as pessoas”, algo que pode ser melhorado se você souber ouvir atentamente, aprender a observar e souber questionar.

Por isso, forneça um espaço no qual as pessoas se sintam à vontade para se comunicar ouvindo-as e, em seguida, fazendo perguntas relevantes. Guie-as fazendo perguntas, não dizendo a elas o que fazer, como você faria com uma criança. As pessoas geralmente sabem as respostas certas se tiverem a oportunidade de se expressar confortavelmente.

Quando um funcionário lhe traz um problema para resolver, pergunte: “o que você acredita que deveria fazer para resolver esse problema?” Ou pergunte: “Quais etapas de ação você recomenda?”

Ajude os funcionários a se sentirem reconhecidos

Se os funcionários se sentirem indecisos, subtitulados pelas responsabilidades que assumem, subnotificados e subestimados, eles não experimentarão o Empowerment.

As necessidades básicas dos colaboradores devem ser atendidas antes que eles lhe ofereçam sua energia e boa vontade ilimitada – ou seja, esse esforço extra que as pessoas investem voluntariamente em seu trabalho. Para o Empowerment bem-sucedido dos funcionários, o reconhecimento deve desempenhar um papel significativo e contínuo.

Observe que o Empowerment é como um investimento a longo prazo capaz de produzir grandes retornos para as organizações que acreditam nas pessoas e que apoiam a autonomia dos seus, diariamente, por meio da delegação de poder individual.

Agora, com essas informações ao seu alcance, você pode melhorar mais o desempenho de seus colaboradores em direção cada vez mais próxima dos objetivos de sua equipe e de sua empresa. Ficou com alguma dúvida? Tem mais alguma dica interessante sobre esse assunto? Não hesite em falar com a equipe da Dale Carnegie!

ILA 2019