É cada vez mais comum que as empresas ofereçam programas para estimular funcionários a desenvolverem novas ideias. E o  empreendedorismo corporativo é a criação de caminhos para gerar ideias e transformá-las em resultados de modo a gerar valor à corporação.

Fundamental para inovar e, ao mesmo tempo, estreitar os laços entre os profissionais e a empresa, o empreendedorismo corporativo é um processo usado para desenvolver novos negócios, produtos, serviços ou processos dentro de uma organização, para criar valor e gerar novo crescimento de receita através do pensamento e ação empreendedora dos colaboradores.

Podemos dizer que o empreendedorismo corporativo é um conjunto de ações que você adota dentro de um negócio já existente, para obter a maximização dos resultados. Os esforços em planejamento, divulgação e treinamento do início do empreendimento podem ser empregados também em um negócio já estabelecido, para renovar os processos da sua empresa e alcançar engajamento das pessoas e melhores resultados.

Por que as organizações devem investir no empreendedorismo corporativo?

O empreendedorismo corporativo é especialmente crucial para grandes empresas, permitindo que essas organizações – tradicionalmente avessas à tomada de riscos – inovem, levando líderes e equipes a um nível maior de empreendedorismo corporativo. Além dos benefícios óbvios obtidos por meio da inovação, essa abordagem também oferece o benefício organizacional de preparar o terreno para a continuidade da liderança.

Dentro desse sistema, a noção de inovação está no cerne do empreendedorismo corporativo – os dois inseparavelmente unidos e responsáveis ​​por impulsionar riscos calculados e benéficos. Levando isso um passo adiante, o empreendedorismo corporativo pode até alterar significativamente o equilíbrio da concorrência dentro de uma indústria ou criar indústrias inteiramente novas por meio desse ato de inovação interna.

Em uma visão mais simples, o empreendedorismo corporativo também pode ser considerado um meio de renovação organizacional. Para além do seu foco na inovação, também existe um esforço igual para se aventurar. Estes dois trabalham em sintonia à medida que a empresa realiza inovações em todo o aspecto organizacional, de produto e processo a tecnologia e administração.

Além disso, aventurar-se é um componente primário no processo, forçando empresas maiores a aumentar sua competitividade geral no mercado, assumindo riscos maiores. Exemplos desses riscos, como visto em uma organização de grande escala, podem incluir: redefinição do conceito de negócios, reorganização e a introdução de mudanças em todo o sistema visando a inovação.

O empreendedorismo corporativo é o contexto para inovação

O empreendedorismo corporativo define o contexto para inovação e crescimento. Ele fornece uma visão sistêmica dos recursos, processos e ambiente necessários para apoiar, motivar e envolver a organização no pensamento e na ação empreendedora.

Organizações com fortes orientações empreendedoras têm um desempenho estatisticamente melhor. Eles alcançam níveis mais altos de produtividade, inovação, crescimento e retornos financeiros.

Não existe uma maneira perfeita de implementar o empreendedorismo corporativo. Existem, no entanto, três componentes que permitem o empreendedorismo corporativo; pessoas, processo e lugar.

  • Pessoas – líderes que possuem um conjunto central de competências e comportamentos orientados para a ação
  • Processo – sistemas e processos que apóiam o pensamento e a ação empreendedora
  • Lugar – um ambiente propício ao empreendedorismo, aprendizado e crescimento

O objetivo do empreendedorismo corporativo é desenvolver capacidades que permitam às organizações acelerar o crescimento de novos negócios.

Como implementar o empreendedorismo corporativo

Nos negócios modernos, uma das principais tarefas do líder empresarial é promover um ambiente no qual o pensamento empreendedor seja estimulado. Promovendo essa cultura incentivando livremente a criatividade (e, portanto, a inovação), os líderes empresariais motivados pelo empreendedorismo corporativo devem esforçar-se continuamente para  construir confiança, abraçando o risco de fracassar e inspirando aqueles ao seu redor a assumir riscos similares e calculados.

Mas há mais em um ambiente de empreendedorismo corporativo do que simplesmente incitar inspiração e inovação. Ele também depende muito de um sistema de análise contínua e feedback, potencialmente incluindo as etapas a seguir:

Banner E-book Dale Carnegie - Liderar Uma Equipe de Vendas

#Passo 1

O primeiro passo é o planejamento, claro. Sente com pessoas que ocupam posições-chave na sua empresa para refletir sobre a sua empresa e os pontos que deveriam ser melhorados. Elabore um plano para colocar as mudanças em prática. E não deixe de envolver a sua equipe no processo. Estimule o compartilhamento de ideias e sugestões, e não se esqueça de que as opiniões das pessoas de fora podem contribuir muito para esse momento de reestruturação.

#Passo 2

Defina uma direção ampla para a conquista, reavaliando-a periodicamente para qualquer nova informação que possa ter surgido em relação a mudanças no ambiente de negócios, incluindo produtos e mercados competitivos nos quais a empresa está operando. A avaliação constante é essencial nesta fase, pois mesmo a direção mais bem ajustada ainda pode levar a uma falha catastrófica se a abordagem não estiver mais funcionando.

#Passo 3

Reforce os esforços em toda a organização que coincidam com o plano atual de realização. A tarefa de um líder ou gerente sênior é geralmente a de promover continuamente a estratégia enquanto faz ajustes com base em suas crenças relacionadas aos objetivos organizacionais e ao feedback que recebem das unidades de negócios.

Esses são os principais elementos que permitem que o empreendedorismo corporativo seja implementado no mundo empresarial. O mais importante é acontecer uma aliança entre colaboradores, supervisores e diretores.

Desafios do empreendedorismo corporativo

Muitas vezes, a principal barreira para a implementação do empreendedorismo corporativo é a própria cultura da empresa, que geralmente é aliada à desconfiança e ao receio com relação a mudanças drásticas.

Outro grande desafio é criar um ambiente que favoreça o aprendizado, a iniciativa, a troca de informações e a ousadia.

Nesse sentido, é preciso que a empresa reestruture suas políticas de pessoas, cargos, e premiações, conferindo reconhecimento e incentivo aos colaboradores que têm melhor desempenho dentro da filosofia adotada.

E ao promover um movimento empreendedor com ações cotidianas, lançando projetos que envolvam os funcionários, alguma proposta pertinente, com certeza, se destacará, ajudando na solução de problemas.

Então, gostou do conceito de empreendedorismo colaborativo? Deixe seu comentário abaixo e aproveite para curtir e compartilhar este artigo nas redes sociais. E se você deseja continuar aprimorando sua atuação como empreendedor, conte com a Dale Carnegie para ajudá-lo!

Banner E-book Dale Carnegie - Liderar Uma Equipe de Vendas